Pergunta à Ana! Consultório Sentimental Parte 5

Dia de praia, faz o lanche, veste o biquini, pega na máscara, guia até à praia. Aviso de praia cheia. Parada no carro vou vendo e selecionando as perguntas para responder. Hoje escolhi três perguntas que poderiam vir de alguns encontros felizes que não funcionaram muito bem. Dúvidas sobre sexo oral e sobre o uso da língua são sempre estimulantes. Já tenho a vossa atenção?

Uma profissional que já deu provas com largos anos de experiência dentro e fora do consultório. Uma verdadeira “pro” na orientação das pessoas para a fuga quando uma relação está verdadeiramente a dar para o “torto”. A referir, que alteramos os nomes para respeitar a privacidade dos intervenientes.

"Querida Ana, o meu namorado e eu já andamos há um ano e é um tipo incrível. Infelizmente, ele não beija assim tão bem. No nosso primeiro encontro, ele usou demasiada língua, e quero dizer, eu senti como se ele estivesse a examinar as minhas amígdalas. Eu nunca lhe consegui dizer nada. E em parte porque nunca me senti uma especialista em beijar. De tal forma que considero o nosso relacionamento feliz. Só que infelizmente não consigo lidar com isso. Eu lentamente comecei a evitar qualquer sessão de amasso mais pesado com ele, porque até mesmo um engasgar com a língua ocasional é demais. Como faço para trazer isso à tona sem machucá-lo? Ele age como fosse um homem duro, mas sei que é mais sensível do que parece e temo que leve isso para o lado pessoal."
icon woman
O Sr. língua demais
25, Braga

Ana E, Receio que, quando se trata de dizer a alguém que você quer que ele pare de jogar hóquei com suas amígdalas, seja pessoal. Existem várias técnicas para melhorar a forma de beijar e de fazer ver ao seu companheiro que não está a fazer as coisas da melhor forma. Num questionário que foi feito recente, perguntou-se às mulheres se era possível corrigir um "mau beijoqueiro". Muitas das respostas disseram não, mas entre os sim explicaram que tiraram a língua do amado da boca e usaram a própria língua para explicar de que tipo de beijo gostavam. Isso significa que você deve ser gentil, mas confiante sobre isso.
Se o seu namorado não sabe que você odeia o efeito "desentupidor de canos" quando ele a beija, deve dizer-lhe, gentilmente e com tato, Ninguém quer ouvir: “Tu não estás a fazer as coisas da melhor maneira”. Mas certamente que gostaria de ouvir: “Adoro fazer amor contigo, então vamos explorar isso juntos”.

"Meu namorado e eu estamos em um relacionamento há mais de um ano e somos compatíveis em quase todos os níveis. Nós dois estamos com trinta e poucos anos e o sexo é incrível. Ele gosta de ser o dominador na cama e, apesar de ser sexualmente ativa desde os 17 anos, ele é a primeira pessoa com quem realmente tenho prazer. Mas ele solicitou um ato específico na cama que eu hesito. Ele realmente gosta de sexo oral e pediu-me para lhe fazer uma garganta funda mas eu tenho algumas preocupações: principalmente limpeza e também meu reflexo de vómito.
Eu tenho um reflexo de vómito bastante sensível, o que não era um problema antes, mas estou preocupada que isso acelere se eu fizer isso. Ele é muito generoso na cama e tento retribuir, mas é a primeira vez que realmente hesito. Algum conselho se eu decidir fazer isso?"
icon woman
ATM
32, Viana

Ana E, Cara ATM, se é iniciante neste tipo de estimulação em primeiro lugar deve ter consciência que é isso que pretende. É absolutamente necessário ter consciência que pretende viver um relacionamento de entrega. Contudo lembre-se que o sexo oral é uma prática sexual bastante praticada tanto por homens quanto por mulheres. Adorada por ambos. Poderá optar por essa prática como preliminares usar como forma de “aquecimento” para a penetração, outros preferem ficar no sexo oral a noite inteira.
Sendo assim existem enumeras técnicas de sexo oral que pode utilizar para um relacionamento feliz. O objetivo principal é divertir-se mais que ter um bom desempenho e acima de tudo precisa de estar fisicamente confortável. Ajoelhar-se diante de seu parceiro sobre um travesseiro, enquanto ele está de pé ou sentado, proporciona uma boa amplitude de movimento e amplo acesso.
Da mesma forma que é importante manter para ambos os “lugares limpos”. Certamente que poderá iniciar este acto num banho a dois será uma boa opção. O estigma social parece se concentrar no gosto dos órgãos genitais das mulheres mais do que nos homens. Na verdade, os homens podem sentir o cheiro e o gosto tão fortes quanto as mulheres.
Mais que tudo, e respondendo diretamente à sua dúvida, que se não é adepta da garganta profunda (colocar todo o pénis na boca), não deverá fazê-lo sem praticar. Pois ativará provavelmente seu reflexo de vómito.
O efeito garganta funda pode ser alcançado com a técnica de mão e boca. Com a prática, pode aprender a relaxar o reflexo de vomito e absorver mais o pénis e pode usar a boca e a língua.
Para terminar, não se esqueça que, é possível contrair infeções sexualmente transmissíveis (ISTs) por meio de qualquer tipo de relação sexual, incluindo o sexo oral. Mas algumas infeções são ainda mais fáceis de serem transmitidas pelo contato da boca com o órgão genital do que outras. Funciona assim: a transmissão dos vírus e bactérias por via sexual acontece pelos fluidos genitais, contato de mucosa com mucosa, ou até mesmo por meio do líquido pré-ejaculatório.

"Sou uma mulher de 22 anos e meu melhor amigo é um homem de 23 anos que conheço desde o secundário e que está sempre na minha casa (a dele é um lixo). Quando saímos, ele muitas vezes fica a dormir aqui e às vezes por alguns dias. Nos sete anos em que somos amigos, dormimos na mesma cama, até já dividimos um saco de dormir uma vez ao acampar, e vestimos-nos e despimos um ao outro e nunca houve nada sexual entre nós - até " o incidente."
Algumas semanas atrás, estávamos a ver TV, a comer pipocas e salgadinhos e a beber muitas cerveja até à 1 da manhã. Algumas horas depois, acordei e encontrei-o em cima de mim. Além disso dentro de mim. Depois que o empurrei e gritei "Fodasse, o que pensas que estás a fazer?". Ele disse que acordou para ir à casa de banho e quando voltou e me viu na cama, eu parecia a Bela Adormecida e ele queria me acordar com um beijo. E que, quando não funcionou, ele pensou que tentaria acordar-me com sexo. Ele estava-se a rir, e eu disse-lhe que não tinha piada nenhuma e perguntei-lhe. "Entendes o conceito de consentimento, certo?" Ele disse que sim, então eu o fiz dizer o que acha que era, e ele deu a resposta que aprendemos no secundário. Eu disse que percebeu que me estava a violar, e primeiro ele argumentou que não, mas depois admitiu que era isso e disse que estava arrependido. Na próxima vez que ele apareceu, ele disse muito docemente: "Desta vez, estou a pedir permissão. Queres fazer sexo comigo?" Eu disse que não, e que não sempre que ele pediu desde então. Entendo que isso acaba por magoá-lo. De certa forma eu entendo, para ter sexo com alguém, desde que o conheça e goste dele. Mas ainda não entendo o que aconteceu - por que ele repentinamente tem sentimentos sexuais por mim e o que o fez pensar que poderia simplesmente fazer sexo comigo sem perguntar. Eu nunca o ouvi dizer algo depreciativo sobre as mulheres em geral ou sobre qualquer mulher em particular e sempre me considerei "uma feminista" muito consciente. Ele já namorou alguns das minhas amigas e elas nunca disseram que ele fez algo ameaçador ou controlador. Elas acham que ele é muito boa pessoa. E eu sempre pensei também.
Ele disse-me várias vezes que nunca me quis magoar, e sente muito. A ser verdade é porque é que não consigo superar isso? Eu não sei a resposta para isso. Ele pergunta o que pode fazer para melhorar, e eu também não sei a resposta. Estou a fazer disso uma coisa maior do que é?"
icon woman
Muito confusa
22, Lisboa

Ana E, Cara leitora, eu acho que muitas pessoas, inclusive eu, diriam que realmente não está a ter em consideração o que se passou e a gravidade do que acabou de descrever. Na verdade, tem todo o direito de processar a violação como achar melhor e não precisa se sentir traumatizada por um incidente que traumatizaria outra pessoa. Mas acho que o trauma, ou algo parecido na forma de uma questão não resolvida, a está a atormentar, e é por isso que "não pode superar isso". Analisando o que me indicou acho que esse tipo quer que supere isso mais por ele do que por si. A ideia que deixa é que ele quer ser absolvido pelo seu equilíbrio emocional. Se você está bem com o que ele fez, então ele está bem. O facto de continuar a sair com ele depois que ele a violou é surpreendente, para não dizer outra coisa. A minha leitura mais otimista sobre essa situação é que é extremamente benevolente. Efetivamente esse homem é deve estar grato por ter permissão para permanecer na sua vida. sem falar em não ser preso por violação. E, no entanto, ele continuou a tentar convencê-la a ter um relacionamento sexual. Apesar da frustração expressa pela sua falta de interesse e incapacidade de perdoá-lo. As verdadeiras desculpas não dependem do perdão que se segue. O que acontece são expressões independentes de contrição que vivem e morrem por conta própria. Não acredito que ele esteja realmente arrependido. Quanto ao motivo que ele apresentou poderia recorrer a uma expressão tão brutal de misoginia. Pareceu-me que ele é dissimulado. Este é um caso de dizer uma coisa e fazer outra. Pode-se entender certos conceitos intelectualmente, mas falhar em colocá-los em prática. No momento, esse homem é um parasita, que causa danos, exigindo perdão, com base no relacionamento que estabeleceu consigo ao longe dos anos e que já não existe.
Você quer conselhos? Aqui está um conselho: não bata de frente com essa pessoa, peça aconselhamento e considere os próximos passos para o fechamento da relação. Certamente não precisa entrar em contato com as autoridades (embora deva). Talvez algo como um processo crime seja mais útil. Não importa como se cure. Tenha presente que quanto mais aguentar essa pessoa e os seus disparates, mais corre o risco de lhe mostrar que tolera o seu comportamento. Parece-me que da forma como estão as coisas, ele claramente ele não está a entender.

A Dr.ª Ana Escapadinha  é uma especialista na área do coração e há muitos anos dedicada a responder às perguntas a ela endereçadas. Está preparada para “encarar” qualquer problema emocional, relacionado com namoro e relacionamentos, que envolva sexo e vida a dois. Se tem alguma dúvida que pretenda ver esclarecida, envie emails ou deixe na caixa de comentários. Envie as suas dúvidas para serem respondidas e aconselhadas e assim se continuar com estes artigos.

Encontros felizes são possíveis!

Deixe uma resposta