Pergunta à Ana! Consultório Sentimental Parte 3

Dia de verão, dia de calor. Como vem sido hábito mais alguns emails de questões que vão ser respondidas na parte dedicada ao consultório sentimental. Hoje vamos falar mais do mesmo, de homens e de mulheres. Algumas questões que vão ser respondidas pela Dr.ª Ana Escapadinha, cujo objectivo é a promoção de encontros felizes.

Uma especialista que já deu provas com anos de experiência dentro e fora do consultório. Uma verdadeira “pro” na orientação das pessoas para os relacionamentos amorosos e encontros felizes. Bom e quando isso não é possível, orientação para o “sai se podes” numa relação que está verdadeiramente a dar para o “torto”. A referir, que alteramos os nomes para respeitar a privacidade dos intervenientes.

"Cara Ana, Sempre tive um relacionamento feliz com a minha esposa. Ultimamente impôs-me uma "hora de dormir" com o castigo mais estranho possível. No mês passado, ela decidiu que eu estava a passar muito tempo no computador e pouco tempo com ela. Então ela declarou que, se eu não estiver na cama antes da meia-noite, não teremos sexo. No inicio achei que estava a “tangar”? Ela já quando namorámos tínhamos encontros felizes mas era muito doidinha! A situação é que ela começa sem mim. E se eu estou atrasado um minuto, não tenho permissão para tocá-la. As suas palavras exactas foram "Vou-me vir com ou sem ti, então, se quiseres participar, precisa de aparecer a tempo". Por um lado, sinto que isso é chantagem sexual e quero recusá-la por princípio. Por outro lado, reconheço que a tenho ignorado em favor de jogos de computador viciantes e não respondi aos pedidos anteriores de "não chantagem" de me juntar a ela antes das 2 ou 3 da manhã. Deitar ou não dormir? Essa é a questão!"
man icon
Gamer
38, Alcobaça
dormir

Ana E, Muito obrigada pelo envio do email. Parece-me que a sua questão é de certa forma óbvia. Quer fazer sexo com sua esposa? Efectivamente, aja como um adulto, desligue o computador. Vá, juntar-se a ela na cama na hora perfeitamente razoável da meia-noite. O seu vício reconhecido em jogos de computador significa que terá que ponderar o que valoriza mais. Como marido, é um companheiro e também parceiro sexual dela. O primeiro passo ou enviar a sua dúvida , já por si demonstra que reconhece que o seu comportamento não está a ser correto. A sua esposa não está a incomodá-lo ela está simplesmente a lidar com o assunto pelas suas próprias mãos(literalmente). Ela não está a castiga-lo. Por outro lado pense que quem está a castigar a relação está a ser o Sr.. Decerto este seu comportamento está a passar o relacionamento para segundo plano e a por em causa o relacionamento com as suas escolhas. O seu vicio nos jogos ainda pode acabar por perturbar fatalmente a relação, pense bem. Cresça e vá para a cama.

"Ana, preciso de um conselho por favor. A minha amiga sempre foi meia louca, mas ultimamente ela está pior e não sei o que fazer. Ela já é minha amiga há anos, sempre nos damos bem. Sempre tivemos encontros uns felizes outros não e sabemos de muitas coisas uma da outra e tudo sempre foi acobertado e desculpado. Ultimamente isto anda a passar dos limites sempre a sair com um grupo de amigos. Volta para casa com muitos homens diferentes, o que não é um problema por si só, por causa do Covid. Além disso ela constantemente me diz o quanto isso a deixa sem valor e parece chateada no dia seguinte. Eu tive que ir buscá-la nas casas de homens, levá-la ao hospital por intoxicação por álcool e limpar o lixo que ela faz quase todos os fins de semana nos últimos três meses. Eu até tive que convencer o chefe dela para não a demitir depois de aparecer para trabalhar de ressaca demais para funcionar. Eu quero estar lá para ela (ela não tem muita família). Mas mas isso está a começar a deixar-me irada. Além de que com isto tudo, eu e o meu namorado estávamos a pensar em ter um bebé em breve e debati adiá-lo para poder concentrar-me nela! Não acho que seja justo comigo ou com meu noivo. Eu não quero deixá-la de fora, mas como posso levá-la a assumir alguma responsabilidade? Tornou-se demais e não quero ressenti-la ou cortar completamente, mas cheguei perto. Quando eu lhe ligo ela desculpa-se e depois volta a fazer o mesmo constantemente."
icon woman
Amiga preocupada
36, Porto
beber

Ana E, Obrigada pelo seu email. Bom devo-lhe dizer que existem poucas amigas como a leitora. Mas faço este teste. Diga esta frase para si em voz alta : “Eu considerei adiar ter um filho com o homem que amo, para que eu possa ajudar minha amiga a evitar consequências do seu problema com a bebida”. Isso soa como uma decisão sensata que resultará em satisfação e serenidade pessoal de longo prazo para si? Se não é uma decisão da qual vai arrepender-se mais tarde? Certamente que não é uma decisão que a deixa livre para decidir a vida dela e as consequências das decisões dela? Além disso essa decisão vai torna-la mais e forte? E quanto ao seu parceiro , como está a vossa saúde emocional? Sei que se importa profundamente com seu namorado e que mais do que provou sua lealdade e afeto. Contudo essa decisão de atrasar a criança não deverá ser por causa de terceiros. Além de que não pode forçar o seu namorado a assumir a responsabilidade por essa decisão sua. Mas pode parar de assumir a responsabilidade por ela. Demita-se das horas de baby-sitter não remunerada que realizou - diga a ela que, se ela estiver pronta para obter ajuda para deixar de beber, a apoiará. E solte ao universo. Diga-lhe que até então, não estará disponível para atuar como sua motorista, para intervir. Para a desculpar no trabalho ou para limpar o seu quarto. Existem grupos de ajuda profissionais para ela, se achar que precisa de ajuda para seguir a decisão que ela tomar. Lembre-se de que não há número de passeios que você possa dar a ela e nenhuma técnica especial de limpeza de vomito que possa ser aplicada desimpedimento dela que convencerá a sua amiga a parar de beber. Quando faz essas intervenções em nome dela, não está a garantir nada, nem um pouco a sobriedade ou a sanidade. Ela não precisa assumir "algumas" responsabilidades; ela precisa tomar a responsabilidade pela vida dela, e não está a fazer-lhe nenhum favor tentar fazer o trabalho por ela.

"Bom dia Ana , venho pedir a sua ajuda para esta situação. Depois de vários anos tendo encontros felizes com aquela mulher que eu escolhi para esposa . Os meus pais e irmão anunciaram que não gostam dela. Ela é maravilhosa, é claro, e nem ela nem eu tínhamos ideia de que eles se sentiam assim. Fiquei muito admirado, até que de repente começaram a gritar com ela sobre coisas pelas quais aparentemente se ofenderam. Aparentemente depois tudo se cala, pergunto á minha mãe e não dizem uma palavra. Ela e eu saímos com pressa e tive um contato mínimo com os meus pais nos últimos meses. Eu cortei relações com o meu irmão depois que ele continuou a insultá-la. Mas agora queria batizar o meu filho e a data aproxima-se. Eu gostaria de convidar os meus pais, mas eles não se desculparam comigo ou com minha esposa. Não sei o que fazer porque é ela que me apoia financeira e emocionalmente durante estes anos. Foi ela que investiu anos na construção do que ela pensava ser um bom relacionamento com eles apenas para eles a tratarem assim. Qual é o seu conselho? E se é para não convidá-los para esse evento da vida, e os outros? Seria razoável restabelecer contacto completo com eles se eles se recusarem a ver sua total falta de compreensão?"
man icon
Incompreendido
34, Monção
baptizado

Ana E, "Antes demais obrigada pelo email. Parece-me que tem que haver mais história aqui. Simplesmente não faz sentido que de repente a sua esposa maravilhosa, amável e solidária esteja subitamente a ser denunciada pelos seus pais e irmão. Na verdade sem razões pelo menos aparentes não se fazem acusações, e ofensas. Não estou a dizer que eles estão certos, pode ser que os três estejam numa enorme “bola de neve” a alimentarem a loucura uns dos outros. Pode ser que sua esposa, tenha opiniões divergentes, possua um estilo de personalidade que os tenha enganado por anos. Ou que eles possam ter alimentado más opiniões, em vez de abordar qualquer mal-entendido, eles decidiram ter um confronto explosivo. Mas pense, sem levar a sua esposa a reboque , precisa se reunir com sua família e tentar descobrir o que está errado. Terá que ser antes do baptizado, pois o baptizado não é o lugar para fazer isso. Reúna-se com os seus pais e irmão com espírito de abertura e aceitação. Contudo deixe bem claro que a denúncia sobre a sua esposa foi dolorosa, chocante e inaceitável. Talvez possa intermediar algum tipo de paz, mas isso deve ser baseado na boa vontade. Se eles querem manter suas armas que sua esposa é inaceitável para eles, então eles simplesmente se afastaram de si. ”.

"Ana, peço-te ajuda pois preciso de um conselho de alguém que saiba. Sou amiga de um colega de trabalho há muitos anos. Eu sou uma mulher casada, ele é um homem solteiro e, ao longo dos anos. Assim parece que as nossas vidas se tornaram tão entrelaçadas que eu nunca tive uma folga do contacto com este meu amigo. Nós vamos para o mesmo ginásio, ele viaja com a minha família e amigos e geralmente está frequentemente com o meu círculo social. Ele teve alguma dificuldade com os limites. A verdade é que sei que ele dormiu com várias das minhas amigas casadas quando elas estavam a passar por problemas difíceis nos seus casamentos. Não estou preocupada que isso aconteça comigo, mas acho esse comportamento realmente preocupante. Ele justifica dizendo que os seus maridos não as estavam a tratar bem o suficiente. Ele também não tem vergonha de criticar o meu marido, que supostamente é amigo dele. O seu último caso com uma das minhas melhores amigas foi realmente um ponto de ruptura comigo, O que me levou a afastar da nossa amizade no ano passado. Troquei de ginásio e parei de socializar com ele. O problema é que ainda trabalhamos no mesmo escritório. Ele ainda continua a enviar mensagens instantâneas para perguntar quando podemos nos reunir e discutir a “desconexão” que ele está a sentir a minha falta. Eu realmente não quero falar com ele sobre isso. Sinto-me esgotada (acabei de perder um ente querido este mês) e não quero lidar com ele. Qual é a minha obrigação para com ele e como posso me livrar dessa situação? Ele é muito emocional com a nossa amizade, então tenho medo lhe dizer que terminei. Visto que ele e o meu marido ainda são amigos devo me afastar definitivamente e evitar contacto ou só moderá-lo? "
icon woman
Mulherengo
45, Massamá
mulherengo

Ana E, Tenho que lhe dizer que depois deste email fiquei um pouco admirada. Esse seu colega pode ganhar um prémio pelo pior colega de trabalho de todos os tempos . Ele vasculha o seu círculo social para as mulheres casadas que têm problemas, ele critica o seu marido pelas costas (para a própria esposa!). E agora não pára de mandar mensagens para si no trabalho porque não está a receber o mesmo tipo de atenção que tinha. Parece-me que ele quer voltar a ter a sua confiança. Este homem parece um “mulherengo incurável”, e as suas intenções não me parecem as melhores. Parece que ele não se interessava tentar ter um caso consigo. Além de me parecer bem possível que ele esteja a fazer “campanha” para minar o seu casamento e monopolizar o seu tempo. Tenha algum cuidado em se precaver contra as investidas dele, estou a falar que ele vai usar todo o tipo. Isto é, vai tentar demover o seu afastamento usando o lado emocional. Ou melhor, vai também tentar algo consigo para assim não poder falar das suas amigas já que estará na mesma situação. A sua obrigação para com ele neste momento é praticamente zero. Ele não demonstrou o interesse necessário com o seu bem-estar para merecer o termo "amigo". Concentre-se em permanecer profissional e distante no trabalho e não responda aos pedidos dele para se reunir e "discutir" o vosso relacionamento. Dito isso, acho que vale a pena dizer -lhe mesmo que ele responda emocionalmente que não está interessada em continuar sua amizade. Recorde-lhe os ataques repetidos á “pessoa” do seu marido e ao facto de que ele continuamente coloca-a numa situação desconfortável. Como é possível que ele se envolva com amigas para trair os seus próprios maridos com ele. Como ele não recebeu a dica até agora? Ser clara com ele provavelmente economizará tempo e energia a longo prazo. Deixe-o ficar tão emocional quanto ele quiser. Decerto tem o direito de definir o seu próprio círculo social. Diga-lhe isso apenas uma vez e não precisa fazer isso pessoalmente se o pensamento de uma conversa prolongada a esgotar. Se ele continuar a pressioná-la no trabalho, informe seu supervisor e RH.

"Ana , estou a enviar-te um email para me aconselhares, depois de anos de encontros. Andava enganada, achava que iam ser encontros felizes e não o foram, foram tentativas falhadas. Finalmente comecei a namorar, e ele, o meu namorado é uma pessoa absolutamente maravilhosa. E efectivamente é aqui que vem o mas, estou a lutar com o facto de ele fazer sons de porco quando come. Isso levou-me a repensar a nossa relação. Como e quando passamos um tempo juntos, principalmente evitando qualquer coisa em torno das refeições. Minha pergunta é: Como vou fazer para lidar com isso? Eu amo-o muito."
icon woman
Apontadora
27, Sacavém
comer barulho

Ana E, Desde já, muito obrigada pelo email. Parece-me que evitar refeições com ele, vai perder uma parte do que implica “estar juntos”. Depois também tem de colocar a situação de quando o relacionamento evoluir, isto é serem um casal. Nunca é divertido pensar em dizer a alguém de quem gosta que ele tem um hábito desagradável. Contudo pense e se fosse o hábito seu, gostaria de saber se tem um hábito igualmente irritante que ainda não reconheceu. Comer ruidosamente é um hábito bastante corrigível, não uma qualidade inerente que ele não pode mudar. Ele pode começar a comer mais devagar e manter a boca fechada quando mastiga. Decerto que terá que pensar em lhe dizer, ele precisa saber que é um problema primeiro. Apenas diga! Não espere até que ele esteja no meio, porque vai ser sempre um pouco embaraçoso ter uma conversa sobre essa situação. Seja educada e tenha cuidado na forma como diz, por exemplo: "Pode não ter percebido isso, mas tem o hábito de mastigar alto e fazer barulho quando come, e isso desvia a atenção das pessoas". Se quer tranquilizá-lo antes ou depois, pode, mas não precisa se desculpar por pedir que ele mastigue mais silenciosamente. Apenas diga o que tem a dizer e não pense demais.

amigas

A Dr.ª Ana Escapadinha  é uma especialista na área do emocional,  há uma data de anos dedicada a responder às perguntas a ela endereçadas. Está preparada para “encarar” qualquer problema emocional, relacionado com namoro e relacionamentos, que envolva sexo e vida a dois. Se tem alguma dúvida que pretenda ver esclarecida não hesite. Esperamos os seus emails ou deixe na caixa de comentários. Envie as suas dúvidas para serem respondidas e aconselhadas e assim se continuar com estes artigos.

Encontros felizes são possíveis!

Deixe uma resposta